"Todos os devaneios que me vão na cabeça, que me foram da cabeça e que me hão-de vir até à cabeça. Todas as mentiras e verdades que me foram impostas, todas as torturas que eu vi. Todos os momentos; um principio de vida, o meu desnascer."
Quarta-feira, 9 de Janeiro de 2008
ESSA NOBRE ARTE DE OBSERVAR GAJAS POR AÍ
 
Tenho convivido toda a minha vida com o pânico, de um dia, um dos meus relacionamentos amorosos resultar. Não fazem ideia como é aflitivo estar na eminência de ser um gajo bem sucedido no amor. Não é que me dê mal com os compromissos, de modo algum. Dêem-me 7 ou 8 anos e até me adapto facilmente à ideia da exclusividade. Agora, deixar de olhar para outras mulheres é que nem me passa pela cabeça. Quanto a mim, a exigência implícita de que mal tenhamos um relacionamento sério temos de parar de olhar para outras e concentrar-nos na única que temos, é que é o grande problema da nossa sociedade mesquinha.
Muitos se perguntam: como saber quando uma relação está a ficar mais séria? Pois meus amigos, uma relação está a ficar terrivelmente séria quando a nossa companheira nos brinda com a frase, “Estás a olhar para onde?”. Ora, isto dá-me cabo da cabeça, porque elas sabem muito bem para onde é que estamos a olhar. Este breve reparo permite-nos retirar em simultâneo três lições essenciais à nossa sobrevivência: primeira, ela está já a funcionar em modo monogâmico. Alerta “Vermelho”, segunda, estamos a dar demasiado nas vistas; terceira, há razões de sobra para ficarmos bastante satisfeitos connosco próprios. Apesar de nos encontrarmos por esta altura em liberdade precária, ainda não perdemos a capacidade de destrinçar beldades rechonchudas ou esbeltas, quando um golpe do destino as coloca no nosso caminho.
Eu me confesso que, observar mulheres, é na realidade o meu grande hobbie e um dos meus grandes prazeres. Em todos as viagens e percursos que faço, activo o radar e o sonar e ponho-me a procurar pontos de referência. No entanto, observo-as de forma libidinosa muito menos vezes do que aquelas que gostaria. Simplesmente tenho de as ver a todas. Sinto que estou a compor uma espécie de álbum fotográfico para a posterioridade. Inconscientemente e enquanto homem sei que estou obrigado a armazenar nos meus arquivos cerebrais, o maior número possível de imagens de gajas. Talvez mesmo todas as boas gajas do mundo. O estimulante é que é uma missão que nunca está concluída. Haverá sempre mais e mais mulheres para vermos, algumas delas que vivem em países, passeiam em ruas e frequentam ginásios que nunca visitaremos.
Eu sou um caso perdido, bem sei. Mas há tipos que querem mudar. Para esses, gostaria de sugerir a toda a comunidade científica que arranje um tempinho, digamos, entre a cura para a sida e a vacina para a gripe das aves, e trabalhe num projecto que ajude a acabar com este vício. Lembrei-me que um pouco à semelhança dos pensos de nicotina para deixar de fumar, poderiam lançar no mercado pensos que forneçam a dose diária de mulheres que o organismo necessita. Começava-se por usar pensos que equivalem a 20 mulheres por dia, depois baixava-se para as 10 e assim sucessivamente até se estar completamente desintoxicado, pela módica quantia de 150€. Era capaz de ser interessante.
Duvido muito que sozinho alguém seja capaz. É um hábito extremamente difícil de se perder. Atenção, estamos a falar de pessoas que olham para o sexo oposto há vinte, trinta anos ou mais. Para deixar de reparar nelas é preciso muita força de vontade. E alguma miopia também. Invariavelmente, todos tentam e muito poucos têm o azar de conseguir. Estou a imaginar a coinversa:
- Uau, olha-me bem para aquela gaja!
- Obrigado mas não. Ando a tentar deixar.
- Ah. Não sabia que tinhas namorada nova.
- Pois.
- Estás a aguentar-te bem ou quê?
- Tou a ir devagar pá, ando só a olhar para três ou quatro por dia.
- Hum... Reduziste bastante. Como é que te sentes?
- Mal, uma pessoa ao princípio não sabe onde é que há-de pôr os olhos.
- Eu também já tentei mas tive uma recaída. Não olhava para ninguém há 3 meses e 2 dias, levaram-me a um dancing-bar e foi uma desgraça.
- Nem me digas nada. Eu já mal saio de casa.
- Não te quero desmoralizar mas olha que quando chegar o Verão...
- Eu sei. É preciso é pensamento positivo: pode ser que o namoro não dure tanto tempo.
 
Enquanto não deixo, vou continuar a aperfeiçoar a arte de observar todas as gajas, com pinta e com classe.

sinto-me: bem

publicado por faustofigueiredo às 19:33
link do post | comentar | favorito
|

o que voçês queriam saber sobre mim
procure aqui
 
Junho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


posts recentes

MEU NOVO BRINQUEDO DO BRA...

XAU

O NOVO BRINQUEDO DO FAUST...

FAUSTO DEIXOU DE SER MILI...

Composição do João

NÃO SOU CANDIDATO A LIDER...

O festival da canção e aq...

O futuro foi feito no ant...

Algo sobre as passitas de...

Fumex

Gilberto Vicente - um esg...

CESARIANA = GAY - Teorias

Resposta estupidas para p...

Informático-dependente

Uma gaivota de Abril, uma...

Velharias

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

tags

todas as tags

links
famoso piquenique
curiosos
alquiler de pisos
alquiler de pisos
blogs SAPO
subscrever feeds